logo_jcom11a.gif (5213 bytes)

Quinta-feira, 21 de Junho de 2001

Jornal do Lojista

Loja nova, todos os dias
Não são necessárias grandes reformas para mudar e agradar o cliente

Débora Oliveira


Pincéis, cimento, tintas e revestimentos podem ser a solução para aumentar as vendas e manter o cliente fiel, independentemente do ramo do comércio. Da simples mudança na disposição de móveis à ampla reforma do ponto comercial, o importante é trazer novidade para o consumidor, sem nunca perder a identidade. Consultores de varejo aconselham grandes mudanças no ambiente a cada três anos. Lojistas chamam atenção para a importância de itens básicos, como pintura e iluminação.

Voltada para o ramo de moda jovem feminina, a Pocket foi uma das lojas que mudaram de cara no Norte Shopping, onde cerca de 10% dos 320 pontos comerciais sofreram reformas nos últimos meses. O objetivo foi acompanhar a ampliação do mix de produtos, que passou a oferecer, além de peças básicas, mercadorias ligadas ao movimento da moda.

Novos consumidores

- Trocamos móveis em cor marfim por madeira mais escura, a imbuia, com acabamento em metais cromados. Desta forma, modernizamos o ambiente, agradamos os clientes fiéis e ganhamos novos consumidores - explica o dono da Pocket, Joaquim Renne. A abertura de novas lojas também pode ser o motivo que faltava para amplas reformas, como aconteceu com a Avante, que fabrica e comercializa tapetes.

A empresa inaugurou duas novas unidades no final do ano passado e incorporou o novo projeto arquitetônico aos outros dois pontos comerciais. Além disso, a Avante modificou um dos itens que, segundo o sócio-diretor da Acomp Consultoria e Treinamento, Antônio César Carvalho de Oliveira, pode fazer a diferença em uma loja: iluminação. "Optamos por lâmpadas que não distorcem as cores", conta a gerente de marketing, Márcia Bergmann.

- Livrarias também devem optar por ambientes mais iluminados. O grau de economia das lâmpadas e tipo de luminária devem ser levados em consideração. Quando o lojista perceber que está igual a seus vizinhos, é hora de mudar - afirma o sócio-diretor da Acomp, que tem a Sendas entre seus clientes.

Contrariando a tendência do mercado - que, segundo Oliveira, mostra novidades no ambiente a cada três anos -, não há regularidade nas grandes reformas da Avante, inaugurada em 1976. "Na verdade, o cliente tem sempre a sensação de estar entrando em uma nova loja porque mudamos a arrumação dos produtos a cada 15 dias", diz a gerente de marketing. Uma forma simples e econômica de passar a sensação de cara nova, já assimilada pelos comerciantes.

- Assim como fazemos com a nossa casa, mudamos os móveis de lugar de vez em quando - afirma a gerente da joalheria Valerie Leutre, Ana Célia Teixeira, contando que a loja deve passar por ampla reforma daqui a um ano.

Conforto preservado

Cuidar da manutenção do ponto de vendas também ajuda a preservar o conforto. "Executamos reformas leves a cada final de ano. Com apenas três anos de estrada, ainda não fizemos grandes mudanças, mas elas acontecerão porque a agilidade do comércio varejista exige isso", afirma o design e proprietário da Fernando Jaeder Design, Fernando Jaeder.

O importante, segundo consultores de varejo, é não perder a identidade, para manter o público conquistado. "O comerciante deve perguntar-se também que benefícios as reformas proporcionarão ao cliente. Permitir que o consumidor enxergue os produtos com mais facilidade ou circule livremente são bons motivos para modificações", exemplifica o coordenador do curso de Master in Business Administration (MBA) em Varejo do Instituto Brasileiro de Mercado de Capitais (Ibmec-RJ), Ruy Quintans. Depois de definidas as novidades, a etapa final é comunicá-las ao público. "Uma boa companha promocional traz o cliente para a loja e mostra o que mudou", destaca o sócio-diretor da Acomp Consultoria e Treinamento. Já o coordenador do MBA em Varejo da Ibmec-RJ aposta na reinauguração. "O comerciante deve chamar atenção para a loja. Uma festa dá conta do recado", afirma Quintans.

Dicas

O que pode mudar...

>> Disposição dos móveis.
>> Iluminação.
>> Cor das paredes.
>> Objetos de decoração.
>> Prateleiras e forma de arrumar as peças.

Cuidado com...

>> Estantes grandes próximas à entrada que impeçam a visão do interior do loja.
>> Prateleiras pontiagudas. Mesmo que a loja não seja voltada para o público infantil, mães com crianças evitarão o local.
>> Degraus e portas fechadas na entrada.
>> Mudanças muito radicais que prejudiquem a identidade do ponto comercial.

 

Clique aqui para conhecer os Serviços da ACOMP


ACOMP Consultoria e Treinamento
Tel. 55 (21) 2445-5444 - www.acomp.com.br

O site do Empresário !