Gazeta Mercantil 26/08/1999

Supermercados abertos 24 horas


Pão de Açúcar, Sendas e Zona Sul oferecem serviço para fidelizar marca junto aos clientes

A disputa pela preferência dos consumidores no setor supermercadista está virando a madrugada. As mudanças de comportamento dos consumidores - que passaram a incluir a noite como horário opcional para compras - e a forte concorrência entre as empresas tem levado as grandes redes de supermercado a apostar suas fichas nas redes 24 horas. O grupo Pão de Açúcar, com o Extra, a Sendas, com o Super Ex, e o Zona Sul disputam espaços inaugurando lojas 24 horas bem próximas para não perder o consumidor para a concorrência. A mesma rede chega a ter até duas lojas operando com o sistema no mesmo bairro, como é o caso do Zona Sul nas ruas Prudente de Moraes e Visconde de Pirajá.

Segundo o consultor de varejo, Antônio César Carvalho de Oliveira, diretor da Acomp Consultoria e Treinamento, para a abrir um mercado 24 horas, as empresas precisam acrescentar cerca de 25% ao investimento normal, levando em consideração aumento de gastos com segurança, energia elétrica e atendimento.

O grupo Pão de Açúcar, que não pára de inaugurar hipermercados - só este ano serão 12 novas lojas no Rio, sendo seis com a bandeira Pão de Açúcar e seis com a bandeira Extra - não abre mão de funcionar 24 horas nas áreas onde as pesquisas constatam que a iniciativa contará com público fiel ou onde a concorrência já atua há três turnos. 'A pesquisa de mercado é indispensável para medir a viabilidade da implantação de um sistema dia e noite. A proximidade de redes 24 horas não prejudica o negócio, se houver demanda na região', diz Oliveira.

Das seis lojas Extra que hoje funcionam no estado, quatro estão abertas 24 horas.

As duas novas lojas Extra que serão inauguradas até o fim de setembro, em Niterói e na Ilha do Governador, também funcionarão no sistema de três turnos.

O conceito de hipermercado 24 horas é considerado fácil de operar. O abastecimento das grandes redes são realizados, tradicionalmente, à noite o que implica a presença de funcionários e a manutenção da loja, exigindo apenas a participação de mais alguns empregados no funcionamento. 'Os resultados compensam os custos. Durante a noite, o supermercado já funciona com operação interna nos estoques e refrigeração. Basta ligarmos mais algumas luzes e colocarmos algumas operadoras de caixa', afirma o diretor da rede Extra, Luiz Fazzio.

Para o coordenador do curso MBA de Varejo, da Fundação Getúlio Vargas (FGV), Ulysses Reis, a teoria de Luiz Fazzio não se aplica à prática. De acordo com ele, é preciso levar em conta a necessidade de fortalecer o sistema de segurança das lojas e criar condições para que o atendimento seja satisfatório, com número suficiente de funcionários. 'Não adianta abrir uma loja 24 horas se não tiver estrutura para atender os clientes de maneira eficiente', diz. Ulysses aposta em uma tendência para o segmento 24 horas. 'Acho que os hipermercados terão que delimitar um espaço para o funcionamento nos três turnos. Em lojas muito grandes, determinadas áreas ficam ociosas durante a madrugada e geram gastos que poderiam ser eliminados', afirma.

O diretor comercial do grupo Sendas, Nelson Sendas, discorda de Ulysses. Para ele, os hipermercados não devem limitar seus espaços à noite. ' Não podemos prestar um desserviço. A loja deve estar toda aberta para melhor atender o consumidor. Ele deve ter o direito de comprar qualquer coisa durante a madrugada', acredita. A Sendas adotou o conceito dia e noite para as lojas que funcionam além do horário comercial. Todas fecham às 3h e reabrem às 7h. A cada nova loja que inaugura, a Sendas encomenda pesquisas para avaliar a necessidade do funcionamento dia e noite e o perfil do público da região.

De acordo com Nelson Sendas, o funcionamento durante a madrugada não é lucrativo para a empresa, mas necessário para enfrentar a concorrência. 'Na ponta do lápis, não é uma operação lucrativa, mas não podemos deixar nossas lojas de fora desta tendência', analisa. As empresas preferem, por decisão estratégica, não divulgar números do mercado 24 horas, mas para o consultor Oliveira, da Acomp, operação pode ser lucrativa. 'Tudo vai depender do local e da demanda. Não adianta a empresa lançar um 24 horas, se não tiver serviço de compras pela Internet, por exemplo', afirma Oliveira.

Daniel Oiticica

© GAZETA MERCANTIL

Clique aqui para conhecer os Serviços da ACOMP


ACOMP Consultoria e Treinamento
Tel. 55 (21) 2445-5444 - www.acomp.com.br

O site do Empresário !